Diálogos Globais para a Construção de Cidades e Territórios Sustentáveis


A participação do Instituto Terroá no Global Festival of Action 2019 integra uma estratégia institucional de engajamento nas principais discussões globais sobre o desenvolvimento sustentável em busca do aprimoramento de ações em âmbito local.

Como as mudanças climáticas podem afetar comunidades tradicionais da Amazônia? Qual é o papel da educação como mecanismo de combate às desigualdades sociais? De que forma a inteligência artificial pode contribuir para a garantia da segurança alimentar? Como incentivar a participação cidadã para a construção de cidades inteligentes e inclusivas? Essas e outras perguntas estiveram no centro das discussões nos três dias do Festival Global de Ação pelo Desenvolvimento Sustentável (Global Festival of Action for Sustainable Development), realizado na cidade de Bonn, na Alemanha, entre 2 e 4 de maio. Pela segunda vez consecutiva, o Instituto Terroá esteve presente no evento, representado pelo Diretor Executivo Luís Fernando Iozzi e pelo Coordenador de Relações Internacionais Fernando Mattos.

O evento é organizado anualmente pela United Nations SDG Action Campaign, a iniciativa especial da Organização das Nações Unidas (ONU) responsável por promover a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável em todo o mundo. Reunindo representantes de organizações da sociedade civil, governos, empresas, organizações internacionais e da comunidade acadêmica, o festival é a principal plataforma global para o intercâmbio de experiências e desafios relacionados à implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. O formato interativo, estruturado em torno de workshops temáticos, sessões de boas práticas e reuniões plenárias facilita a interação constante entre os participantes e oferece muitas oportunidades de contato e networking. Segundo os organizadores, mais de 1.700 participantes de mais de 130 países estiveram presentes na edição de 2019.

A participação em iniciativas como esta é fundamental para o aperfeiçoamento do trabalho desenvolvido em campo pelo Instituto Terroá. Estarmos em consonância com os principais debates globais sobre o desenvolvimento sustentável é parte de uma estratégia institucional de reflexão constante e aprimoramento de nossas abordagens. Ao mesmo tempo, compartilharmos as nossas experiências de campo, as tecnologias que desenvolvemos e o impacto de nossos projetos é uma forma de catalisar ações em outros locais do mundo e potencializar as nossas próprias ações no Brasil.

Luís Fernando Iozzi ilustra como isso pode ocorrer na prática: “Projetos de fortalecimento de cadeias de valor em territórios amazônicos podem, por exemplo, influenciar ações de desenvolvimento local no Vietnã. Tecnologias e jogos desenvolvidos no Japão podem inspirar ações de educação para o desenvolvimento sustentável no Brasil. Experiências de transparência pública e controle social executadas com sucesso na Nigéria e em outros países africanos podem ser adaptadas para o contexto da América Latina. Conexões como essas são parte da nossa estratégia ‘antena-raiz’, isto é, nosso esforço por nos inserirmos em debates globais para que as ações que executamos em âmbito local possam ter mais impacto”.

Além da participação no evento, nossos colaboradores tiveram a oportunidade de apresentar as linhas de atuação e as tecnologias desenvolvidas pelo Terroá na sede da Universidade da ONU, no Instituto para o Meio Ambiente e Segurança Humana (Institute for Environment and Human Security—UNU-EHS). Para Fernando Mattos, “foi extremamente positiva a experiência de participar novamente do evento e de poder dialogar, em espaços como a Universidade da ONU, sobre iniciativas que o Terroá desenvolve no Brasil buscando a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Encerrando o evento, Marina Ponti, Diretora Global da UN SDG Action Campaign, ressaltou o papel de catalisação do Festival Global de Ação pelo Desenvolvimento Sustentável: “Vamos nutrir a energia que nós sentimos aqui — sabendo que o trabalho real começa quando nós voltarmos para casa. Mudanças disruptivas não acontecem somente em encontros, nem mesmo no nosso festival, mas nós podemos usar esses encontros como inspiração para aumentar as ambições e nos conectarmos uns aos outros sabendo que não estamos sozinhos”.